Postagens

Mostrando postagens com o rótulo BELÉM

Um dia e duas noites em Porto de Galinhas

Imagem
Nas minhas últimas férias, em agosto de 2017, havia planejado ir à Amazônia, como você já pode conferir aqui no Viveajantes em quatro etapas (MacapáBelémAlter do ChãoAmazonas) . Pois bem. Eis que cerca de dois meses antes, já com tudo acertado, a Gol me resolve fazer uma promoção imperdível. São Paulo – Recife, ida e volta, por R$ 269,53 (incluindo taxas)! A passagem de ida custou apenas R$ 151,90, enquanto a volta ficou por inacreditáveis R$ 59,10 (já as taxas de embarque saíram por R$ 58,53). Imperdível, né? O jeito foi inventar do nada uma viagem para Pernambuco e encaixar uma ida a Porto de Galinhas em um roteiro de apenas cinco dias inteiros. E com planejamento financeiro zero…Cheguei ao Aeroporto Internacional Guararapes por volta de 13h30 e, depois de almoçar com uma amiga recifense “da gema” (que, por sinal, conheci em Punta del Este – história que também já contei por aqui) no próprio aeroporto, peguei o ônibus executivo que vai direto para o belo distrito do município…

As riquezas e a história de Belém do Pará

Imagem
Belém vista do Forte do Presépio. À direita, a região do Ver-o-peso; à esquerda, a Baía do Guajará (Foto acima)Depois de passar pelo Amazonas e pela vila de Alter do Chão, em Santarém, nossa viagem segue no Pará: agora é a vez da calorosa capital Belém. Calorosa e “calorenta” também, assim como em toda a região da Floresta Amazônica.Cheguei numa sexta à tarde e depois de resolver alguns problemas burocráticos durante a tarde (o chip do meu celular parou de funcionar do nada e tive que comprar outro), fui à Estação das Docas à noite, um dos pontos mais visitados da cidade – e um dos mais bonitos também.Localizado às margens da Baía do Guajará, é uma parte restaurada e muito bem conservada do Porto de Belém e se transformou num dos principais locais de lazer da cidade, com várias opções de bares e restaurantes. Minha opção por lá foi o Amazon Beer, onde provei a Stout, cerveja de açaí bem forte e muito boa também. O acompanhamento foi o ótimo bolinho recheado de pato no tucupi.   O inter…

Alter do Chão, no Pará, é o Caribe brasileiro

Imagem
Depois de uma semana no Amazonas, segui minha viagem pela Amazônia no estado vizinho, o Pará. O primeiro destino (e provavelmente o mais esperado das férias) foi a vila de Alter do Chão, distrito do município de Santarém que deve ter uns 5 mil moradores, no máximo. Nascer-do-sol na Praia do CajueiroO jeito mais rápido de chegar é de avião. Há voos diários para Santarém partindo de capitais como Belém, Brasília e Manaus – que foi o meu caso. O voo, com condições excelentes de tempo, demorou cerca de uma hora (por conta do fuso horário, embarquei por volta de 1 da tarde em Manaus, horário local, e cheguei umas 3 da tarde em Santarém). O aeroporto é distante de Alter e fica no meio do caminho entre o distrito e a cidade.Há uma linha de ônibus apenas, que vai para o centro de Santarém. Para chegar a Alter você deve utilizá-la e, no meio do caminho, trocar para a linha que vai até a vila. As hospedagens em Alter geralmente oferecem transfer, com preço combinado (na minha pousada, por exempl…

Lisboa e seus encantos

Imagem
Em setembro de 2012, eu desembarquei em Lisboa. A cidade me apresentou outro olhar para a vida.  Me ensinou que viajar e  sair da zona de conforto me faz bem. Lisboa me reinventou, me reclicou, lá eu me (re)descobri , me (re)conheci. Mas, hoje não estou aqui para falar como Lisboa foi maravilhosa para mim. Estou aqui para mostrar as maravilhas de Lisboa para vocês. Para quem quer conhecer Lisboa, sugiro que fique de 5 a 8 dias na cidade. Nesse tempo é possível conhecer bem a capital portuguesa e as cidadezinhas da região.Eu sempre tive “mania” de montar um pequeno “roteiro” para me “guiar” nas minhas viagens.  Mas, isso não quer dizer que eu seguia rigorosamente esse pré-roteiro e, vocês também não precisam fazer isso. O importante é o turista saber o que tem vontade de conhecer, o que a cidade proporciona, quais são os pontos turísticos famosos – quase “obrigatórios” – ou, até mesmo, aqueles locais menos conhecidos, mas igualmente bonitos e interessantes.Para Lisboa, pensei em algumas…